helicóptero voando sobre dubai

Todo novo fotógrafo deve aprender a regra dos terços para se orientar de forma a fazer suas primeiras imagens excitantes. Trata-se de uma técnica na qual uma grade hipotética (semelhante a um jogo da velha) é utilizada para definir o enquadramento da foto. Essa grade separa uma imagem em nove partes iguais, com quatro pontos de junção e quatro linhas.


Esses pontos de interseção que são criados pelas linhas, servem como pontos de foco. Há uma tendência natural dos espectadores se concentrarem sobre esses pontos. Dessa forma, a regra dos terços ajuda você a fazer imagens que são ao mesmo tempo equilibradas e atraentes.

Neste artigo nós vamos explicar como a R.D.T é empregada em várias composições temáticas. Vamos descrever as diretrizes dessa regra e dar um exemplo de como essa técnica pode ser mal aplicada. Por último, você descobrirá porque todas as regras de composição, incluindo a R.D.T, podem ser descartadas em alguns momentos. 

Um Único Assunto vs. Vários Assuntos 

Em fotografias onde aparece apenas um único assunto (ex. uma pessoa solitária ou um objeto), a âncora focal da composição sempre estará ao longo da linha da esquerda na grade. Os pontos de interesse que estejam posicionados nessa linha vão inspirar o espectador a interagir com a sua fotografia. Ao enquadrar vários assuntos na mesma composição, devemos usar uma abordagem um pouco diferente.

ponte sobre o lago 

Vários pontos de interesse necessitam de um uma priorização de importância para cada indivíduo na foto. Você deve definir quais os assuntos estarão em primeiro plano e os que continuarão em segundo plano. Quando você colocar os assuntos em sua grade, você vai sublinhar ou descontar em seu significado.  

Dos quatro pontos de interseção em sua grade, o ponto inferior direito tem o máximo peso focal. É o local para onde os olhos do espectador são naturalmente atraídos em composições que contenham muitos assuntos. O ponto superior esquerdo tem o mínimo peso focal. 

Imagine que você encaixa o seu assunto de primeiro plano no ponto de junção superior esquerdo e, ao mesmo tempo, coloca o seu tema de fundo na para inferior direita da grade. Tal enquadramento vai parecer muito confuso para os seus espectadores. Eles ficarão desconfortáveis com isso.

Algumas Regras de Aplicação

Se existem seres humanos inclusos no plano de suas fotos, a direção na qual eles estão olhando desempenha um papel significativo na criação de uma composição estimulante. A regra dos terços é melhor usada nas circunstâncias quando o assunto é colocado em cima da linha oposta a direção na qual eles estão olhando. 

caindo de paraquedas

Por exemplo, imagine que a sua imagem está focada em um homem que está olhando para a direita. Ele deve ser posicionado na linha esquerda da grade. Da mesma forma, a linha formada pelo olhar dele, deve ser posicionada na linha superior da sua grade. Essa espécie de enquadramento é intuitiva para o espectador; parecendo natural. E é mais atraente. 

A regra dos terços geralmente é mal aplicada. Isso acontece quando um fotógrafo compreende a estratégia, mas não entende plenamente o porquê dela funcionar. Por exemplo, suponha que você está fotografando um cão, ele está enquadrado, então sua cabeça está posicionada no ponto superior esquerdo e o seu rabo, no ponto inferior direito. Como comentamos anteriormente, o ponto inferior direito tem o máximo de força focal. O ponto superior esquerdo, o mínimo. Como resultado, o rabo do cachorro vai receber a maior parte da atração, ou invés da cabeça, reduzindo o impacto da sua imagem.

Aprendendo e Flexibilizando a R.D.T

Como as regras de composição, a regra dos terços pode ser flexionada ou quebrada. Na verdade, deixar essa regra de lado em alguns momentos pode produzir fotografias de impacto chocante. Por exemplo, uma estrada solitária que vá direto para o horizonte pode ser posicionada diretamente no centro da imagem. Nesse exemplo, ao ignorar a R.D.T, produzimos uma imagem que mexe com os olhos do espectador. 

ruas vistas por cima

Enquadrando seus assuntos de acordo com a regra dos terços, você será capaz de criar composições que pareçam equilibradas e interessantes ao espectador.  

Enfim, depois que você aprende a usar a técnica do R.D.T, e se sentir o “senhor da grade imaginária”, então você pode partir para experimentar algumas fotografias que ignoram essa regra. Você vai ficar atordoado com o impacto que suas fotos podem ter.  

Lembre-se: Fotos melhores vendem mais, então não deixe de aplicar essa dica e participar dos cursos aqui no Clube da Fotografia.com

 

servo ao por do sol

Fotografar a vida selvagem pode ser uma caçada desafiadora e ao mesmo tempo, frustrante, mas incrivelmente recompensadora para o fotógrafo. A chegada das câmeras digitais tem inspirado toda uma nova geração de fotógrafos a se interessar pela fotografia da vida selvagem. 

A maioria dos cursos de fotografia, workshops e livros concentram-se nos aspectos técnicos embarcados nas câmeras, mas um fotógrafo realmente bom confia mais numa boa composição, iluminação e sensibilidade para encontrar o assunto ideal. Isso significa que você pode melhorar a sua fotografia ao pensar criativamente, e não tão somente tecnicamente.

Nem sempre conseguimos encontrar a montanha, a arvore, a cachoeira, o céu claro para compor a paisagem que desejamos para nossas fotos. Então, nesse momento é que nós usamos a tecnologia embarcada dos softwares editores de imagens como o Photoshop. Vamos lá!

sol nascente

Todos adoram fotografar o pôr-do-sol, até mesmo o nascer do sol é muito interessante. Um céu limpo com um sol brilhante pode render grandes fotos, mas você pode tornar essa foto ainda melhor escolhendo um tema em primeiro plano. O segredo é escolher algo que se destaque contra o céu, com uma forma que as pessoas possam reconhecer; uma arvore, um moinho de vento, até mesmo uma linha de alta tensão. O tema não pode dominar a foto; o ideal é que esse tema não ocupe mais do que 10% da composição, deixando o céu estrelar como atração principal. Porém, se você puder criar uma silhueta impressionante, você vai adicionar uma característica marcante a sua foto de pôr-do-sol. 

lago na floresta verdeFotografia, principalmente a fotografia da natureza não deve se tornar algo muito complicado. Infelizmente, com as diversas funções que uma câmera fotografia digital moderna disponibiliza, e com um manual que é quase impossível de ler, a maioria prefere confiar e deixar a câmera no modo automático.

Se você leu isso e se identificou, então continue lendo, pois temos boas notícias para você. Existem diversas maneiras de capturar ótimas fotos sem ter que entender todas as complexidades da sua câmera fotográfica. Desse modo, deixe a sua câmera no modo automático e continue aprendendo para tirar fotos incríveis. 

rodrigo marques

Rodrigo Marques

O Clube da Fotografia acredita que a fotografia artística é uma forma de promover arte, desenvolvimento pessoal, integração com a natureza. Acima de tudo, acreditamos que a fotografia artística é capaz de libertar pessoas empreendedoras, levando a arte fotográfica como profissão.